top of page

Dia Nacional da Educação de Surdos: inclusão que reflete em todos

Celebrado no dia 23 de abril, a data tem como objetivo chamar a atenção para a importância da educação inclusiva para esses indivíduos, a qual possibilita a promoção da igualdade de oportunidades e do respeito às diferenças.


por Levi Macêdo Andrade

As discussões da data ressaltam a importância da coletividade quanto a indivíduos surdos, junto de melhores condições para o seu acolhimento na sociedade e sua captação educacional / Foto: SHVETS Production


A educação inclusiva para pessoas surdas é um fator de importância elevada, ao passo que sem essa inclusão, os surdos podem enfrentar barreiras significativas para o seu aprendizado e desenvolvimento. Quando as instituições de ensino oferecem esse serviço, elas proporcionam a esses estudantes a oportunidade de se envolver em atividades socioeducativas com seus colegas ouvintes. Junto a isso, ao construir um ambiente mais diverso e integrado, a inclusão também auxilia na promoção do entendimento e da empatia entre pessoas surdas.


E foi com essas ideias e objetivo em mente que em 2002 foi instituído o Dia Nacional da Educação de Surdos, pelo então presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso. A escolha dessa data foi uma homenagem ao nascimento de Ferdinand Berthier, educador surdo francês e defensor dos direitos das pessoas surdas.


Almejando conscientizar a população sobre as dificuldades das pessoas com deficiência auditiva, a data leva a frente as discussões sobre a inclusão e a ampliação do acesso desses indivíduos à educação de qualidade. Essas práticas e debates vêm a permitir que pessoas surdas tenham maior espaço para desenvolver habilidades linguísticas e comunicativas, o que inclui o aprendizado da Língua Brasileira de Sinais (Libras). Isso é fundamental para a garantia de que os surdos possam se comunicar com outras pessoas e ter acesso às mesmas informações que elas.


Educação inclusiva na prática

A execução desse compromisso deve ser feita de modo a garantir que as necessidades educacionais e comunicativas dos alunos surdos sejam atendidas. Algumas práticas que são implementadas incluem:


1. Acesso à Língua Brasileira de Sinais (Libras): A Libras é a língua natural da comunidade surda e sua utilização é fundamental para garantir a inclusão dos surdos na educação. As instituições de ensino precisam fornecer intérpretes de Libras para garantir que esses alunos possam ter plena participação nas atividades educacionais.


2. Utilização de tecnologias: Uma ferramenta valiosa para a educação inclusiva de pessoas surdas é a tecnologia. Recursos como a legendagem e a transcrição em tempo real podem ser utilizados em aulas e outras atividades, facilitando o acesso dos alunos surdos aos conteúdos.


3. Formação de professores: A formação especializada dos profissionais de ensino sobre métodos educacionais para alunos surdos, sobre o uso de tecnologias de apoio à educação inclusiva e sobre o aprendizado da Libras também são mecanismos essenciais para a inclusão efetiva das pessoas surdas.


4. Materiais didáticos adequados: Também é preciso que os materiais didáticos sejam adaptados para que as necessidades dos alunos surdos sejam atendidas. Isso pode incluir, por exemplo, a produção de materiais com ilustrações e vídeos que ajudem a explicar conceitos de forma visual.


5. Promoção da inclusão social: Escolas, universidades e institutos de educação devem promover a inclusão social dos estudantes surdos, incentivando a interação entre eles e os ouvintes. Isso pode ocorrer a partir da articulação de eventos e atividades que ajudem a conscientizar toda a comunidade dessas instituições sobre a cultura e a língua dos surdos.


Evolução social pela inclusão

A educação inclusiva para surdos não traz benefícios apenas à comunidade surda, mas também para a sociedade como um todo. Esse é um importante fator que contribui com avanços na esfera social das mais diversas maneiras.


Um dos principais progressos advindos da aplicação da educação inclusiva para pessoas surdas é a inclusão social, pois ela garante oportunidades igualitárias a todos, independentemente da capacidade auditiva dos indivíduos. Isso ajuda a reduzir o estigma e a discriminação associados à surdez e promove uma sociedade mais justa e integrada.


Essa educação inclusiva permite também o desenvolvimento da Libras, a língua natural da comunidade surda e o segundo idioma oficial do Brasil. Isso gera o fortalecimento da identidade cultural dos surdos e contribui para a diversidade linguística e cultural da sociedade brasileira.


O desenvolvimento de tecnologias de apoio à comunicação, como aplicativos de tradução de texto em tempo real, e tecnologias de reconhecimento de voz são um avanço trazido pela educação inclusiva para pessoas surdas que não pode ser ignorado. Esse é um elemento que pode levar a avanços significativos no campo tecnológico e melhorar a vida de todas as pessoas, tanto surdos quanto ouvintes.


Não se pode deixar passar despercebido o aprimoramento da qualidade da educação ocasionado pelos mecanismos de inclusão nessa área. É a partir deles que há o incentivo ao uso de tecnologias de apoio, a adaptação de materiais didáticos e a formação de professores, o que beneficia todos os estudantes.


Por fim, é possível entender que a construção da empatia e da compreensão entre surdos e ouvintes são uma herança proporcionada pela educação inclusiva para a comunidade surda. A redução do preconceito e da discriminação contra esses indivíduos e a promoção de uma sociedade mais respeitosa com as diferenças são reflexos da prática da inclusão de pessoas surdas na educação.


Revisão de texto: Paulo Roberto Maciel

1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 comentario


Inclusão de PcD é um debate permanente e sempre relevante!!! Que massa ver temas de acessibilidade sendo repetidamente pautados na comunidade universitária

Me gusta
bottom of page